Mar Mediterrâneo é a fronteira mais mortal do mundo

Mar Mediterrâneo

Mar Mediterrâneo é a fronteira mais mortal do mundo

Cerca de 30 mil pessoas já morreram na travessia à Europa, segundo a Organização Internacional para Migrações. Aumento de chegadas está ligado a políticas restritivas aplicadas por alguns países europeus, mostra o estudo. Mar Mediterrâneo é a fronteira mais mortal do mundo.

Segundo a Organização Internacional das Migrações (OIM) um estudo feito mostra que o Mar Mediterrâneo é “a fronteira mais mortal do mundo”.




Pelo menos 33.761 pessoas morreram afogadas no Mediterrâneo entre 2000 e 2017 numa tentativa de chegar à Europa.

A pesquisa analisou estatísticas desde a década 1970 e conclui que o aumento da chegada de imigrantes irregulares à Europa está diretamente relacionado com as políticas migratórias cada vez mais restritivas aplicadas por alguns países europeus.

Apesar de ser um número enorme, “é provável que não reflita o alcance real da tragédia humana”, explica Philippe Fargues, coordenador do estudo.




“Conter a migração e erradicar as mortes no mar são, talvez, objetivos contraditórios. Fechar as rotas mais curtas e menos perigosas leva à abertura de rotas mais longas e perigosas, aumentando assim as possibilidades de morrer no mar”, acrescentou Fargues, que é membro do Instituto Universitário Europeu.

“Isso levou a um aumento do número de parentes que viajavam para se reunir com suas famílias e ao crescimento do contrabando. Isso também levou à ausência de meios legais para aqueles que solicitam asilo e refúgio na Europa a partir de 2009”, acrescentou Fargues.

 

Segundo a Organização Internacional das Migrações (OIM) um estudo feito mostra que o Mar Mediterrâneo é “a fronteira mais mortal do mundo”.

 

Sobre RhaphaMagalhaes 272 Artigos
Formado em Ciências da Computação e no último ano de Publicidade e Propaganda! Um garotão :p Email de contato: [email protected] Telefone: (65) 98110-7679 Barra do Garças - Mato Grosso - Brasil Dúvidas ? Entre em contato galerinha !!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta